Visualizzazioni totali

martedì 28 luglio 2015

Being Up For Grabs: an anarcheology

Being Up For Grabs é meu livro que sai em breve. Para celebrar, copio aqui uma das três anarqueologias nele presente.


Apocrypha from the Sahagún Colloquia and the bringers of movement (3)

In 1524, twelve Franciscan friars arrived in Mexico to make sure the conversion of the pagans was going in a suitable direction after Cortez’s Conquista. Some years later, they convened in Tepeculco under Bernardino de Sahagún with twelve tlamatinime, priests and wise men of the place, to discuss, in Nahuatl, matters of how things are. The manuscript made by Sahagún and his indigenous collaborators transcribing the colloquia came to light years later, but always in an incomplete format. The material that circulated featured subservient and easily convinced natives. But, out of Sahagún’s material – composed of two books (one of thirty and the other of twenty-one chapters) – only the first fourteen chapters were available. The missing chapters included parts where the natives described their creed more thoroughly. Sahagún, himself a historian of the so-called New Spain1 and considered one of the first anthropologists2, has changed the structure of his book of colloquia quite dramatically throughout the years.3 It is unclear what precise effect he hoped his transcriptions would have, but the manuscript that ended up circulating (and was later published4) does little more than portray the tlamatinime as ready to convert to Christianity.

There is a considerable amount of controversy about the historical accuracy of the document. Some say that it is no more than a piece of literature, ultimately having evangelical purposes, while an increasing number of scholars grant it historical veracity. The issue, however, has become more complicated in the last few years, as two supposed fragments of the transcriptions of the colloquia have emerged. They were found in a monastery in Popocatépetl, Veracruz, in relatively good condition. They display the Spanish version and parts of the Nahuatl version of the two fragments. They have supposedly been copied by hand from the original transcriptions and preserved for centuries, hidden in the obscurity of the monastery library. The authenticity of the fragments is under all sorts of religious, historical, ethnographical and anarcheological scrutiny. A factor in favor of their legitimacy is that they both express mostly the views of the tlamatinime, with almost no substantial counter from the twelve friars. This, however, is not decisive. The monks could have kept the manuscripts for several reasons unrelated to it being historically factual.

In any case, the first fragment includes two lines present in the published version in chapter 7 of the first book – lines 1017 and 1018. It seems to fit well in chapter 7, specifically between lines 1016 and 1017, and could have been removed for censorship... The lines of the fragment are therefore referred to as VII-1016-2, VII-1016-3 and so forth, VII-1016-1 being the line published as 1016. The second fragment seems to fit somewhere in the lost chapter 16, also of the first book. As the chapter is otherwise entirely lost, the lines are referred here as XVI-?-1, XVI-?-2, etc. What appears here has been translated from the Spanish version.

VII-1016-2 because every sun rises and sets,
the sun that creates a day
as much as its absence that creates a night
the sun that creates years, generations, eras.
VII-1016-6 One sun after the other.
It was in Teotihuacan
that our present horizon emerged.
This is the fifth sun,
a sun that doesn’t rule by water, air, earth or fire
VII-1016-11 like the previous ones, but by movement.
Its navel nothing but the friction
of one ruler against another
and its Chicoóztoc5 is not one but many.
The sacred place shines in different mountains
VII-1016-16 and in valleys, lakes, cities and holes.
The gods of the fifth sun
are moving forces, they don’t have addresses,
they have roads.
They erode.
VII-1016-21 They digest. They burn. They flood.
It was the Fifth Sun that burned away the previous four;
it is not a static sun
but one that has a different light each day.
As those who destroyed all the other stabilities,
VII-1016-26 they liberators.
We suspect that this is why some macehuals,
common people, welcomed you in their spasms;
because you were also dissolvers,
destroyers of a rule,
VII-1016-31 you brought changes, shifts, alterations, new starts.
Little some of us knew
That you were bringing
a celebration of the un-moved.

The spirit of the huehuehlahtolli6
VII-1016-36 is that a god frees us from an order,
from another need.
A god is what shakes the perennial.
None of them can rule all because
since Nanahuatzin7 went to fire in Teotihuacan,
VII-1016-41 other gods have bumped into their realms.
gods of the ancient customs
were not those that command,
but those that disrupt.
We need them to displace the commanders.
VII-1016-46 We invoke them to shake what is about,
to bring up the riot and to go away.
We invoke them because without disruption,
we wouldn’t have been born,
we wouldn’t have grown.
VII-1016-51 They make us move.

The tzitzimine, by contrast, are the keepers.
Those who preserve.
The gods come and exorcise
the devils of fixity
VII-1016-56 because they come unnoticed.
This is why gods are several –
the world is full of chains,
VII-1016-59 full of traps.
VII-1017 That’s why gods are invoked,
VII-1018 that’s why we pray for them.

So you see that your gods didn’t protect you
from the holy hands of the Conquerors.
They couldn’t because they are not out there
and if they were, they would have recognized
XVI-?-5 the presence of a greater Force
and perhaps they would be first to bow their heads.

And then some priests have contested:
Much as there are turmoil and havoc
amid our peoples since you have arrived,
XVI-?-10 we should see your arrival as an event
of the Fifth Sun.
We are in the horizon of disruption
and our gods are revered
because they are those who unsettle the affairs.
XVI-?-15 They are those who undo the chains
and leave things unheld
and, as such, open to new rulers;
for no God can both free us and protect us.
To unchain is to erode a determination.
XVI-?-20 To protect is to cherish it.
Whatever we worship in the Fifth Sun
is to be worshiped not as shelter but as roads.
Our gods are here to free us,
and those who advertise their protection
XVI-?-25 are in deviant ways –
even though we are entitled to wish protection
when our land is invaded by murders like you.

Many tsitsimine have come to us recently.
They advertise security
XVI-?-30 or redemption, or a superior order.
They cannot resist the heat of the Fifth Sun.
Yet they make their bites,
like you do with all this small tsitsimine
that you brought to infect us
XVI-?-35 and kill us and make us feel unprotected.

The huehuehlahtolli is all for what unchains,
for holier is what makes us escape,
and sacred is forgiving.
Our gods are those who forgive,
XVI-?-40 forgo and forget.
Like in your Bible the debt is cancelled
after a number of years
and promises are forgotten.
Such are the acts of our gods in the Fifth Sun.
XVI-?-45 They are forgivers.
They are many, they are everywhere
because they don’t dwell in small numbers,
and because this sun brings dispute,
our ancient tlamatinime
XVI-?-50 had different liturgies
and they spot movement
in different places
and fixity in different places
depending on taste, season, transport.
XVI-?-55 For movement itself cannot be caught,
except in movement.

This is why, as you have noticed,
hesitation, deception,
lack of decision and of certainty
XVI-?-60 are appreciated by some of us, priests.
Under the Fifth Sun, they are virtues,
because they manifest movement.
Even though they are painful
they bring about what redeems us
XVI-?-65 and show us the road out.
So I advise you: beware.
We live in the horizon of uncertainty,
and no Conquest will dispel it.
As for us, we seek and treasure
XVI-?-70 what we don’t know.
It is less heavy on us.
We distrust what seems to merely repeat,
for the Fifth Sun is the sun
of what is loose.

Marianne Moore's Poetry

Poetry
by Marianne Moore

I, too, dislike it: there are things that are important beyond
all this fiddle.
Reading it, however, with a perfect contempt for it, one
discovers in
it after all, a place for the genuine.
Hands that can grasp, eyes
that can dilate, hair that can rise
if it must, these things are important not because a

high-sounding interpretation can be put upon them but because
they are
useful. When they become so derivative as to become
unintelligible,
the same thing may be said for all of us, that we
do not admire what
we cannot understand: the bat
holding on upside down or in quest of something to

eat, elephants pushing, a wild horse taking a roll, a tireless
wolf under
a tree, the immovable critic twitching his skin like a horse
that feels a flea, the base-
ball fan, the statistician--
nor is it valid
to discriminate against “business documents and

school-books”; all these phenomena are important. One must make
a distinction
however: when dragged into prominence by half poets, the
result is not poetry,
nor till the poets among us can be
“literalists of
the imagination”--above
insolence and triviality and can present

for inspection, “imaginary gardens with real toads in them,"
shall we have
it. In the meantime, if you demand on the one hand,
the raw material of poetry in
all its rawness and
that which is on the other hand
genuine, you are interested in poetry.


Source

martedì 21 luglio 2015

Substâncias na carne


Notícia de On Raw and Grilled Substances em pisicinema

mercoledì 8 luglio 2015

Ars poetica: leve

Só para não enxergar os bréus do beco
eu entro nele com uma lanterna,
como se eu estivesse procurando.
Quem procura sempre está protegido
já que debruçado sobre o mundo
e com os olhos no que a lanterna ilumina,
já reconhece que lhe falta algo.
Quem procura não exibe seu excesso -
ainda que tenha uma lanterna no beco.
Escuto o que os homens do beco dizem: são os detalhes,
os detalhes que deixam as coisas pesadas.
Leves, eu penso, são os desenhos de bico de pena
sobre um papel branco, um traço.
Tirados todos os detalhes, sobra o beco.
Um beco em papel branco com riscos pretos.
Faço-lhe o contraste. E assim, começo a poder pensar.
Meu beco pensado é assim sem peso
já que a memória é feita de traços e cada um deles
não carrega nada - apenas rega.

lunedì 29 giugno 2015

Movediços (em piscinema)

No sábado fiz a instalação-piscinema com Movediços:

Movediços

As minhas irmãs folhas também ficam ao relento como nós, meu pai, e agora
Agora que você morreu, penso em você cada dia mais como um homem
Como um homem que é gente––que entende, reparte e é soprado pelo vento.
Tenho vontade de ter guardado tudo em um baú de ardósia
––tudo: a casa da raposa, o sol atrás da serra, as palavras trocadilhadas
e tuas pequenas admirações por mim que me pinicavam e o sorvete com um copo d’água.
Tudo.
As minhas irmãs gotas de chuva também escorrem até a terra como nós, meu pai e agora
Fica deixado o meu coração, sem o enorme casco de tartaruga que o segurava,
sem um mapa do mundo, sem o conforto de casa, com a nostalgia com frustração.
Tenho vontade de repartir tudo com você em uma praia com pedras grandes
––tudo: minhas dúvidas incrustadas, minhas dúvidas curadas, as pessoas confortáveis,
os alhos refogados, meus desejos de diferença, de casualidade e minha janela.
Tudo.
As minhas irmãs pedras também encontram quem as leve longe como nós, meu pai e agora
Agora não reparti quase nada, fiquei trancado com minhas narrações mirabolantes,
sem te ouvir. Penso tantas coisas sobre você e imagino culpas e recompensas.
Tenho vontade de refazer tudo com você, você não sendo tão Pai para mim,
eu não sendo tão pequeno filho, dando epiciclos em volta da nossa relação preciosa.
Tudo e do que restou ficar quase nada... apenas as tuas raras gargalhadas.
Quase nada.
As nossas irmãs estrelas também desaparecem depois de brilhar para sempre para nós
E agora, meu pai, passo dias sem a tua areia movediça que foi meu ninho,
E movediços eram os teus olhos, mesmo prostrados, mesmo contentes.
Tenho vontade de deixar que movediço seja nosso planeta, nossa estratosfera, meu pai,
E te abraçar com firmeza; conchas diferentes, mas no mesmo mar, nossa casa
––conchas: minha coragem, tua persistência, meus sapatos furados, teus iogurtes.
Quase nada.

2004

venerdì 19 giugno 2015

E ainda preferir esperar?

Hoje, meu bem, me mandaram três vezes reinventar o universo.
Sabe aquele auto-falante que tem em cima de todos os postes -
dos de eletricidade, dos que seguram o céu, dos que seguram a lua no meio das estrelas -
aqueles que dão uma mensagem para todas as coisas de manhã e outra de tarde?
Pois bem, eles hoje falavam comigo.
Primeiro foi a voz de uma catástrofe que ficou na minha cabeça -
o acidente não tem futuro porque o desastre não se escreve nos astros.
Depois foi Paul B. Preciado, a Beatriz: seja dissidente, seja herói.
Nenhum desejo pode ficar sem fármaco e só a norma dispensa experimentação.
Mais tarde foi o próprio Bispo do Rosário catalogando pregos, dobras, brigas;
nada é teu se não for lambido, mordido, engolido, cuspido por você.
Veio um anjo de asas grandes e me carregou e depois me pousou no solo,
a palavra "tormenta" me acompanhou em todos os momentos deste rapto, do desespero
de ter me tornado imprestável para o acolhimento
até a serenidade súbita.

domenica 14 giugno 2015

Não foi só um cavalo

Dona Electra, profetisa e quituteira, lê as cartas, as mãos, as borras do café
de toda a família Didi-Huberman depois do almoço; ela se senta
contra o sol, como se seus colares e broches e brincos e adereços
fossem escudos de Salomão, que convencem porque aberram:
- O que significa, eu lhe perguntei, sonhar com meu neto assim,
já de barbas brancas e subido em uma árvore da beira do Rio do Monge
e deixando no galho mais alto sua sunga verde?
O neto, ela imaginava, ágil, firme e holobionte,
teria talvez ficado pelado quando vigoroso desceu à superfície do chão.
Kinderland, me ouvi pensando, enquanto aguardava a pitonisa, já que seus olhos
se retiraram para o galho mais algo da castanheira e as pupilas
refletiam um sol mordaz mas que nos seus olhos ficava doméstico.
- É uma parte desprendida de você, um lampejo da tua vontade que não se curva
nas encruzilhadas, não calcula sua boa-vontade, e que já está muito acima da terra
onde você se arrasta. É um bom sonho, te ensina uma técnica da liberdade.
- Ensina, eu concordei. Mas por que, mãe Electra, eu preciso desta lição
agora que eu pinto estas grandes telas, todas de uma cor só, e minha experiência
se tornou completamente inconclusiva?
Ela fez um volteio com a cabeça, a feiticeira, não sei se para se livrar de mim
ou para me hipnotizar. Já não via na sua imagem um enxame de vaga-lumes e nem a pinga,
o maço de cigarro aberto, a caixa de fósforos comprada ainda ontem, a curva de 90 graus
entre os dois paralelepípedos. Ela não queria confissões. Eu só via a khora.

No outro dia, no café-da-manhã eu tomo um chá de cascas de abacaxi para minhas vísceras
já que elas me acordaram de noite pensando no desemprego: ter que rifar meu saxofone.
Ouço uma melodia das Pussy Riots, com as caras tapadas de não sei quantas cores,
uma melodia mixada. O rio tem afluentes.
Sinto minha cabeça cercada de pedaços de coisas próximas por todos os lados.
Meu couro cabeludo sempre foi líquido: clara de ovo, caco de vidro, nostalgia.
As Pussy Riots elas invadiram a catedral, há muitos anos atrás.
A catedral que era uma piscina soviética. E eu sou museu?




sabato 13 giugno 2015

Georges e Alfred

Para que o mundo seja habitável, há que desrespeitar todas as coisas.
O universo tem horror a qualquer ordem estabelecida.
Economia - no sentido do imperativo da habitação - é a teologia
do broto da praga.
A pergunta da encíclica: quem fez, para quem fez?
E se houver, atravessando a lei geral da subsistência, uma aventureira?
Cavala encilhada por uma vulva vagabunda - dois lábios vertidos e revertidos,
sem querer persistir mas arfando um nexo anexo ao dos administradores.
Ela, Marcela e concrescente, nunca é quixote
e tem nome de bruxa.

Parece morro

Entre eu e morri havia um morrinho.

domenica 24 maggio 2015

Alterarquia

É no espaço da violência - lá onde ela mora, onde ela quase sempre fica, onde ela criou nichos e ninhos - que aparece o acolhimento. É um invenção, surpreendente e inaudita. O outro da violência não é um cálculo, nem sequer um cálculo moral. Não é deixar a experiência calar e falar mais alto, e no entanto é um desinteresse de si. Um estado de luto, uma dexistência. A santidade do desinteresse se assemelha aos milagres: não são regrados e nem regulares. São novidades. Distúrbios nos passos das carruagens.

martedì 19 maggio 2015

Como correspondência

Ontem a noite ele encontrou a carta de amor que eu lhe escrevi na minha infância.
Eram apocalipses, tautogias, tatuagens e círculos quadrados,
lacrados em um papel azul
e cheios de artigos indefinidos - os artigos dos acontecimentos.
Ele me mandou um telegrama em forma de tótem como resposta: aventura sim, remorso não.
Era uma formação sedimentar coberta com cadáveres de antigos trilobitas
e de outras testemunhas de antes do holoceno.
Fui procurar meu mapa do tempo - de onde ele falava?
Acordei andando em círculos. Tropecei em um véu de kashmir que também tinha vida morta.
Carbônica. Mas o véu tinha sangue. Sangue velho.
Eu lhe escrevi, na carta, sobre o meu nariz.
Eu não conseguia parar de ver meu nariz no meio das paisagens.
Quando tropecei no véu, fingi que sabia dançar tango e que não havia mais intrusos dentro de mim.
Tenho pena de você, me disseram minhas avós, porque você codifica mas não descodifica.
Tenho pena.
Eu juro que eu abro o cofre mais tarde para você, eu disse, eu sei o segredo.
Mas na carta, não quis falar sobre a pena que minhas avós tinham de mim.
Era muito natural, ou então era muito humano.
Deitei no chão do banheiro, meus pés sobre a privada
e encostei minhas vísceras no ralo.
Tranquei a porta porque podia ser que eu gozasse
balançando as cadeiras. E se ninguém ler? O correio pode demorar meses
e meu amor pode minguar, ou se expandir mais ainda.
Naquele dia acho que sintonizei o rádio. Tinha uma música cantada com o sotaque do México:
"es mejor que no me conozcas, que no me escuches, que no me mires".

mercoledì 6 maggio 2015

Informe (Bataille)

Informe
Un dictionnaire commencerait à partir du moment où il ne donnerait plus sens mais les besognes des mots. Ainsi infome n'est pas seulement un adjectif ayant tel sens mais un terme servant à déclasser, exigeant généralement que chaque chose ait sa forme. Ce quíl désigne n'a ses droits dans aucun sens et se fait écraser partout comme une araignée ou un vers de terre. Il faudrait en effet, pour que les hommes académiques soient contents n'a pas d'autre but : il s'agit de donner un redingote à ce qui est, une redingote mathématique. Par contre affirmer que l'univers ne ressemble à rien et n'est qu'informe revient à dire que l'univers est quelque chose comme une araignée ou un crachat.

giovedì 30 aprile 2015

L'économie générale, mise en jeu et écriture (Derrida)

La mise en jeu, celle qui excède la maîtrise, est donc l'espace de l'ecriture.
[...]
Pourquoi le seul espace de l'ecriture?
La souveraineté est absolue lorsqu'elle s'absout de tout rapport et se tient dans la nuit du secret.
[...]
Tous les attributs attachés à la souveraineté sont empruntés à la logique [...]de la maîtrise.

Derrida, J. "De l'économie restreinte à l'économie générale - un hegelianisme sans réserve", in: L'écriture et la difference (Paris: Seuil, 1967), 391.